0

Mecanismos de Segurança na Internet

one-eyed-vector-pirata_95665Mecanismos de Segurança na Internet

Filtro antiphishing: já vem integrado à maioria dos navegadores Web e serve para alertar os usuários quando uma p´agina suspeita de ser falsa é acessada. O usuário pode então decidir se quer acessa-la mesmo assim ou navegar para outra pagina.

Filtro de janelas de pop-up: já vem integrado a maioria dos navegadores Web e permite que você controle a exibição de janelas de pop-up. Você pode optar por bloquear, liberar totalmente ou permitir apenas para sites específicos.

Filtro de códigos moveis: filtros, como o NoScript, permitem que você controle a execução de códigos Java e JavaScript. Você pode decidir quando permitir a execução destes códigos e se eles serão executados temporariamente ou permanentemente. http://noscript.net/

Filtro de bloqueio de propagandas: filtros, como o Adblock, permitem o bloqueio de sites conhecidos por apresentarem propagandas. http://adblockplus.org/

Teste de reputação de site: complementos, como o WOT (Web of Trust), permitem determinar a reputação dos sites que você acessa. Por meio de um esquema de cores, ele indica a reputação do site, como: verde escuro (excelente), verde claro (boa), amarelo (insatisfatória), vermelho claro (má) e vermelho escuro (péssima). http://www.mywot.com/

Programa para verificação de vulnerabilidades: programas, como o PSI (Secunia Personal Software Inspector), permitem verificar vulnerabilidades nos programas instalados em seu computador e determinar quais devem ser atualizados. http://secunia.com/vulnerability_scanning/personal/

Sites e complementos para expansão de links curtos: complementos ou sites específicos, como o LongURL, permitem verificar qual ´e o link de destino de um link curto. Desta forma, você pode verificar a URL de destino, sem que para isto necessite acessar o link curto. http://longurl.org/

Anonymizer: sites para navegação anonima, conhecidos como anonymizers, intermediam o envio e recebimento de informações entre o seu navegador Web e o site que você deseja visitar. Desta forma, o seu navegador não recebe cookies e as e as informações por ele fornecidas não são repassadas para o site visitado. http://www.anonymizer.com/

0

API do Google Maps

imgresAPI Javascript do Google Maps

A google disponibiliza para desenvolvedores diversos exemplos de como integrar o google maps à sua página web através do uso de uma Api javascript. A API do Google Maps é um serviço gratuito que permite incorporar o Google Maps a suas páginas da Web ou a aplicativos móveis de modo livre, tendo um limite de visualização diárias.

A API nos permite criar mapas para aplicativos móveis, consultar dados geoespaciais, criar aplicativos baseados em localização e personalizar mapas. Clique no link abaixo para ler os termos de uso.

Termos de uso da API do google maps.

Exemplo de utilização da API

 

Resultado:

maps

Clique no link abaixo para ver mais exemplos:

Mais Exemplos de uso da API

0

Fluxogramas e Prototipação

Ambiente online para a criação de Fluxogramas e Prototipação de Telas
Nessa postagem segue o endereço um serviço na web destinado a criação de Fluxogramas e Prototipação de telas para sistemas, ambos serviços podem ser acessados de forma gratuíta, basta o usuário criar um login no ambiente.
 
O ambiente está disponível no endereço: http://www.cacoo.com
Fotos do Ambiente:
Diagrama de Redes
Prototipação de Páginas Web
Prototipação de Aplicativos para Android
0

Google lança o Google Drive

Google lança disco virtual Google Drive com 5 GB gratuitos na próxima semana

Após entrar no ramo de serviços de e-mail (Gmail) e até de suíte de escritório (Docs), o Google deve lançar um serviço de disco virtual, chamado Google Drive, na próxima semana. As informações são do “The Next Web”, especializado na cobertura de tecnologia. O Google Drive, diz o site, fornecerá ao usuário 5 GB para armazenamento de dados diretamente na internet  –mais que o dobro que o  serviço Dropbox, que oferece 2 GB ao usuário gratuitamente. Além da capacidade gratuita, será possível também comprar por espaço adicional, caso o usuário queira.
O serviço ainda será integrado aos diferentes sistemas operacionais disponíveis no mercado: Android, iOS, Mac OS X e Windows.
 
Ao lançar o Google Drive, a companhia entrará em um mercado em que a maioria dos concorrentes na área de serviços web já atua há um tempo. Amazon, Apple, Microsoft já contam com serviços de funcionalidade semelhante. Há ainda o Dropbox, que é relativamente conhecido neste ramo, e que ainda conta com um programa que envia arquivos de uma pasta do computador diretamente para a web na conta do usuário.
Fonte da Notícia: http://tecnologia.uol.com.br 
 
Comentário:
O tão esperado disco Virtual da Google, vem pra competir com o Sky Drive, Dropbox e o Box.net. Esperamos que a Google supere todos esses três.
0

O que é software livre?

Free Software Foundation
O que é software livre?

Software livre (free software) é um conceito de extrema importância no mundo da computação. Para estar nesta condição, o software precisa ter características atreladas a aspectos de liberdade. Pode-se dizer, portanto, que o software livre é um movimento social, que defende uma causa.

A ideia começou a tomar forma em 1983, pelas mãos de Richard Stallman, que na época criou o GNU e, cerca de dois anos depois, fundou a Free Software Foundation (FSF).
O GNU é um projeto para o desenvolvimento de um sistema operacional livre, isto é, já apoiado nos objetivos da liberdade. A Free Software Foundation, por sua vez, é uma entidade sem fins lucrativos criada justamente para servir de base para o movimento do software livre.
Mas, nessa história toda, onde exatamente entra a tal da liberdade? Quando falamos deste aspecto, tratamos da liberdade que o usuário tem para não só utilizar, mas também copiar, distribuir, modificar e estudar o software. É isso o que o movimento do software livre defende.
Para isso, a Free Software Foundation tomou quatro “fundamentos” como base:
  • liberdade de executar o programa, para qualquer propósito (liberdade 0);
  • liberdade de estudar como o programa funciona e adaptá-lo às suas necessidades (liberdade 1), sendo o acesso ao *código-fonte um pré-requisito para esta aspecto;
  • liberdade de distribuir cópias de forma que você possa ajudar ao seu próximo (liberdade 2);
  • liberdade de melhorar o programa e liberar os seus aperfeiçoamentos, de modo que toda a comunidade se beneficie (liberdade 3). Novamente, aqui o acesso ao código-fonte é um pré-requisito.
No caso da primeira liberdade, um indivíduo ou uma organização pode utilizar o software em qualquer atividade, em qualquer quantidade de computadores.
A segunda liberdade, por sua vez, dá acesso ao código-fonte do programa para que a pessoa possa estudá-lo ou alterá-lo conforme a sua necessidade.
A terceira liberdade diz respeito à permissão dada ao usuário de distribuir quantas cópias quiser do programa, mesmo porque esta é uma forma de torná-lo acessível a um número maior de pessoas. O mesmo vale para o código-fonte do software.
Por fim, a quarta liberdade consiste na permissão que o usuário tem para alterar um software ou mesmo colaborar com o seu desenvolvimento, permitindo que outras pessoas ou organizações tirem proveito de algo que ele aperfeiçoou.
Fonte: InfoWester